Autoridades chinesas impõem limites aos salários milionários de estrelas do cinema
Autoridades chinesas impõem limites aos salários milionários de estrelas do cinema
Ao que parece, o governo chinês não é um grande fã do ‘glamour’ do cinema
Postado em 28/06/2018
Atriz Fan Bingbing, em Cannes. Foto: Stephane Mahe/Reuters

Quem nunca sonhou em viver a vida de uma estrela de cinema? Com todo o glamour, luxo e fama – nada mal, não acha?


Muito mal, de acordo com as autoridades chinesas.


Em uma declaração conjunta de cinco agências governamentais – incluindo o Departamento de Propaganda e a agência reguladora de rádio, TV e cinema –, foi anunciada uma nova medida para limitar os “super salários” das estrelas de cinema chinesas.


Segundo as novas regras, o salário dos atores e atrizes principais não pode passar de 40% do valor total da produção nem de 70% do valor total gasto com salários dos elencos.


Os oficiais chineses alegaram que os super salários “prejudicam a saúde da indústria cinematográfica”, promovem a “adoração ao dinheiro”, levam os jovens a “seguirem cegamente as celebridades” e “distorcem os valores sociais”.


Filme “A Grande Muralha”, de 2016, contou com superprodução hollywoodiana e um orçamento de quase R$ 600 milhões. Foto: CFGC/Legendary Pictures/Divulgação 
Segundo a declaração, a regra veio para evitar a evasão fiscal e a celebração de “contratos yin yang” na indústria do cinema.


Os contratos “yin yang” são uma prática supostamente comum entre as grandes estrelas de cinema chinesas. Ao invés de assinarem apenas um único contrato de salário, os atores e atrizes assinam dois contratos – um com uma pequena parcela do salário e o outro com o restante. As estrelas, então, apenas declaram o contrato de menor valor às autoridades, pagando menos impostos.


Um escândalo envolvendo os contratos yin yang chamou atenção em maio deste ano, quando o apresentador de TV Cui Yongyuan postou fotos de dois contratos nas redes sociais, um no valor equivalente a R$ 6 milhões e outro equivalente a R$ 30 milhões, alegando que ambos pertenceriam a Fan Bingbing, a atriz mais bem paga da China, segundo a Forbes. 


Fan Bingbing, em X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, de 2014. Foto: Twentieth-Century Fox/Divulgação 
Depois de lançar a polêmica, Cui se desculpou e alegou que os contratos nada tinham a ver com Fan – o estrago, porém, já estava feito. O estúdio de Fan já havia sido colocado sob investigação, e o governo chinês tomou novas precauções para coibir a prática de super salários e contratos yin yang entre as estrelas.

E você, o que achou da medida, justa ou exagerada? Deixe o seu comentário e participe do debate.