Carmeltazita: conheça a pedra alienígena que é mais dura e rara que o diamante
Carmeltazita: conheça a pedra alienígena que é mais dura e rara que o diamante
Descoberta no norte de Israel, o mineral só havia sido encontrado antes no espaço sideral
Postado em 12/01/2019
Foto: All That's Interesting/Reprodução

Esta semana, a descoberta de um novo tipo de mineral, no norte de Israel, deixou maravilhados geólogos pelo mundo afora. Isso porque a rocha, encontrada pela empresa mineradora Shefa Yamin, além de ser extremamente rara, ainda apresentou uma propriedade incrível: ela é mais dura que o diamante - minério considerado, até então, o mais duro do planeta. 


O achado foi feito numa zona de mineração ao norte do vale Zevulun, nas proximidades do Monte Carmel. A impressionante rocha, que estava em meio a pedras de safira, foi então nomeada “carmeltazita”, em homenagem ao local de sua descoberta.


(Estrutura química do cristal de carmeltazita é muito semelhante ao do rubi e da safira. Imagem: MDPI)Muito semelhante, em aparência e composição química, ao rubi e à safira, a rocha deu bastante trabalho para os mineradores a identificarem. Segundo relatos da empresa, o raro minério apresenta, tipicamente, uma coloração misturada, que vai desde o preto, passando por azul e verde, até tons mais quentes, como marrom e alaranjado, camuflando-se assim perfeitamente em meio as jazidas de safira e rubi.


(Mais dura que o diamante e belíssima, a rocha poderá ser posta no mercado a preços exorbitantes. Foto: Shefa Yamin/Reprodução)


Fisicamente, no entanto, a rocha é bem diferente das suas primas minerais. Após análises laboratoriais, por exemplo, descobriu-se que ela possui uma dureza maior que a do diamante (antes o campeão no quesito). Além disso, sua presença na região de Israel representou outra grande surpresa, já que, anteriormente, o minério só havia sido visto no espaço sideral - motivo pelo qual vem sendo chamado de “extraterrestre” na internet.


Alienígena ou não, uma coisa é certa: devido à sua raridade, se posto no mercado, o minério será vendido a preços exorbitantes. 


E, por óbvio, os responsáveis pela zona de mineração israelita já começaram a comemorar.