Autora de “Como Assassinar Seu Marido” é acusada de matar o próprio marido
Autora de “Como Assassinar Seu Marido” é acusada de matar o próprio marido
“Todos nós podemos cometer um assassinato, basta sermos pressionados na medida certa”, teria escrito Nancy Brophy
Postado em 13/09/2018
(Foto: Buzzfeed/ Reprodução)

Uma história digna de cinema se desenrolou, no começo do mês, no Estado do Oregon, nos Estados Unidos. Após lançar um livro intitulado “How to Murder Your Husband” (Como assassinar seu marido), uma escritora de 68 anos teve seu esposo morto a sangue frio e, agora, é uma das principais suspeitas do crime.


(A autora foi presa em 6 de setembro, acusada de matar o marido. Foto: Oregon Live/ Reprodução)


Casado com Nancy Brophy há 27 anos, Daniel Brophy foi encontrado morto pela polícia, em 2 de junho, no Instituto de Culinária do Oregon, onde trabalhava. Ele fora baleado repetidas vezes. Desde o início da investigação, as autoridades suspeitavam de que o crime tivesse sido premeditado, mas nenhuma prisão foi feita de imediato.


Foi apenas em 6 de setembro, mais de 3 meses depois de o corpo da vítima ser encontrado, que a polícia juntou evidências suficientes para prender Nancy.


(A obra “Como assassinar seu marido” foi um dos argumentos da acusação. Foto: See Jane Publish/ Reprodução)


Dentre os argumentos usados pela acusação, destaca-se o fatídico livro “Como assassinar seu marido”, escrito pela romancista em 2011. Na obra, além de fazer reflexões sobre os motivos pelos quais alguém mataria seu cônjuge, Nancy escreveu: “O que eu sei sobre assassinatos é que todos nós podemos cometê-los quando somos pressionados na medida certa”.


(Nancy escrevia romances policiais e se dizia fascinada por assassinatos. Foto: Nancy Crampton Brophy/ Reprodução)


Segundo um dos vizinhos do casal, Don McConnell, a reação da escritora frente à morte do marido foi, no mínimo, estranha. “Ela nunca mostrou nenhum sinal de que estava chateada ou triste”, afirmou ele. “Na minha opinião, ela tinha um ar de alívio, como se fosse quase uma dádiva de Deus o que aconteceu”.


Ainda de acordo com McConnell, certa vez quando perguntou à Nancy se ela tinha recebido alguma ligação recente dos policiais sobre o caso, ela teria respondido “Não, eu sou uma das suspeitas”, com um ar de completa indiferença.


Presa sob acusação de homicídio, a autora deverá se apresentar frente ao tribunal na próxima segunda-feira (17).