Doença rara faz menino de 8 anos agir como um ‘demônio’ e pedir que os pais o matem
Doença rara faz menino de 8 anos agir como um ‘demônio’ e pedir que os pais o matem
“Foi como algo saído de um filme de terror”, narra a mãe, Johanne Hewlett, após o filho implorar que ela o jogasse na frente de um ônibus
Postado em 22/10/2018
(Foto: Mercury Press & Media/Reprodução)

Em Winchester, no Reino Unido, um casal viveu momentos de puro terror com seu filho, de 8 anos, após ele desenvolver uma doença cerebral rara que o levou a apresentar comportamentos enlouquecidos e de extrema violência. 


“Ele começou a ficar muito agressivo e violento. Ele começava a alucinar e dizer que havia sangue escorrendo pelas cortinas”, narra a mãe do garoto, Johanne Hewlett. “Ele olhava para nós e era como se ele não nos reconhecesse. Ele dizia ‘onde está minha mãe?’ Era horrível. Ele me pedia para chamar a mãe dele, e eu pensava ‘ele não sabe quem eu sou?’”. 


(Johanne com os filhos, William e Charlotte, antes do menino ficar doente. Foto: Mercury Press & Media/Reprodução)
Segundo Johanne, as cenas desenroladas em sua casa no último ano pareciam ter saído do filme ‘O Exorcista’, e ela, mais de uma vez, considerou seriamente a possibilidade de o menino estar possuído por um ‘demônio’. “Era como algo saído de um filme de terror, ele simplesmente mudou da noite para o dia”.


“Um dos piores momentos foi quando ele se sentou no meu colo e começou a orar para Deus, por uma hora, pedindo que Ele o matasse. Ele dizia ‘se Deus não fizer isso, você faz? Você pede ao papai para me matar?’”, conta Johanne. “Ele dizia ‘me empurre na frente de um ônibus, mande um ônibus para me matar’. Eu só conseguia pensar ‘de onde ele está tirando essas ideias horríveis?’. Era como se alguém tivesse o controle dele ou como se ele estivesse possuído.”


(William e sua irmã Charlotte, antes de ele adoecer. Foto: Mercury Press & Media/Reprodução)
Mas o quadro bizarro não tinha nada de paranormal. Depois de quase um ano de busca por um diagnóstico, o casal descobriu que o jovem William Hewlett era vítima, na verdade, de uma condição rara, conhecida como PANS/PANDAS, a qual é causada por uma resposta imune mal direcionada que resulta numa inflamação cerebral.


De acordo com os médicos, embora a desordem possa trazer como sintomas a manifestação de transtornos neuro-psiquiátricos severos, tais quais os apresentados pelo garoto, o tratamento é razoavelmente simples - bastando algumas semanas de antibióticos para que o paciente apresente uma melhora considerável.


(William Hewlett, antes da doença. Foto: Mercury Press & Media/Reprodução)

Após a longa batalha que travaram, os pais do menino, Johanne e Jez Hewlett, engajaram-se numa campanha pela conscientização da doença, buscando dar maior visibilidade à condição para evitar os inúmeros casos em que ela é diagnosticada erroneamente como um distúrbio mental.


“Há muitas pessoas em situações semelhantes que continuam sendo diagnosticadas com autismo, quando o PANS/PANDA pode ser tratado simplesmente com o uso de antibióticos”, afirma Johanne, que se lembra ainda de como as piores afetadas são as crianças. “Algumas dessas crianças acabam tomando medicação antipsicótica, enquanto outras são tiradas de seus pais e colocadas em unidades psiquiátricas.”