Jovem casa com um completo estranho após ser enganada em entrevista de emprego
Jovem casa com um completo estranho após ser enganada em entrevista de emprego
A moça, de 21 anos, pensava concorrer à vaga de organizadora de casamentos quando percebeu que era, na verdade, a própria noiva da cerimônia
Postado em 29/08/2018
(Foto: iStock/BBC/Reprodução)

Uma jovem chinesa, de 21 anos, foi enganada por uma empresa e acabou se casando com um completo estranho, enquanto participava de um “treinamento” para conseguir um emprego. 


Segundo a vítima, que preferiu não ser identificada, a companhia teria pedido que ela se vestisse de noiva e se juntasse a uma “simulação” matrimonial, alegando que esse era um ritual costumeiro da contratação de organizadores de casamento da firma.


A moça, contudo, estranhou o realismo da suposta “encenação”, que incluía até mesmo a assinatura de um documento por parte dos “noivos”. Então, quando voltou para sua casa, em Hong Kong, resolveu procurar um advogado para verificar a situação. Foi quando descobriu que estava, de fato, casada com o tal “noivo”.


Diante disso, ela foi até à polícia para denunciar os envolvidos, mas não teve sucesso. Lá, foi informada de que nada poderia ser feito, porque não havia “provas” suficientes para sustentar a ocorrência do crime. 


A jovem, então, foi buscar apoio na Federação de Sindicatos de Hong Kong (FTU).


“Esta é uma forma nova de fraude matrimonial”, contou à BBC o diretor do Comitê de Direitos e Benefícios da FTU, Tong Kang-yiu. “É bem decepcionante... eu não acredito que isso aconteça num lugar moderno como Hong Kong”.


(Foto: Sun Siu-kin, a vítima e Tong Kang-yiu dando palestra para prevenir jovens sobre o golpe. Foto: Edmon So/SCMP/Reprodução)


Conforme relatou o South China Morning Post, até o momento, a pobre jovem de 21 anos continua casada e nem mesmo sabe quem é o seu esposo. Impossibilitada de anular o casamento, ela provavelmente terá de entrar com pedido de divórcio.


De acordo com a BBC, todos os anos ocorrem pelo menos mil casos similares envolvendo cidadãos de Hong Kong. O motivo é que chineses casados com “hong-kongianos” podem pedir permissão para morar na cidade, que é autônoma e oferece por vezes melhores condições de vida.