‘Memento mori’: Conheça a assombrosa prática vitoriana das fotografias de cadáveres
‘Memento mori’: Conheça a assombrosa prática vitoriana das fotografias de cadáveres
Fotos ‘post mortem’ eram tiradas de parentes recém-falecidos
Postado em 1/06/2018

ATENÇÃO! Este artigo possui fotos de pessoas falecidas, incluindo crianças, e não é recomendado para leitores sensíveis e/ou facilmente perturbáveis.

  

O que acontece quando se juntam altos índices de mortalidade com a recém-criada arte da fotografia? A resposta parece óbvia para você? Pois então, conheça os ‘memento mori’, uma forma comum de fotografia do final do século 19.




A expressão ‘memento mori’ é uma frase em latim que significa “lembre-se de que irá morrer” e as fotos eram comumente encomendadas por familiares que gostariam de ter uma última foto com alguém que acabou de falecer. 


Como a fotografia ainda não era comum na época, muitas vezes essa era a última oportunidade de ter uma lembrança com um ente querido, ou de reunir toda a família para uma foto.




A prática era especialmente comum entre crianças, devido aos altos índices de mortalidade infantil da época e ao fato de ser menos provável que crianças pequenas já tenham sido reproduzidas em fotos ou pinturas.


Com o alto custo de se ter uma foto tirada, apenas famílias ricas adquiriam ‘memento moris’. A prática ‘saiu de moda’ na virada do século 20, quando novas tecnologias tornaram a fotografia mais barata e rotineira.




Mesmo que não sejam mais consideradas de ‘bom gosto’ atualmente, os ‘memento mori’ servem como uma sóbria lembrança de outros tempos, quando a morte era bem mais presente na vida de quase todas as famílias.


Se a proposta das fotos era lembrar às pessoas sobre a brevidade da vida, elas certamente cumprem bem o seu papel. Você não acha?