Acusado de estupro, Backstreet Boy escapa da justiça porque crime é “antigo demais”
Acusado de estupro, Backstreet Boy escapa da justiça porque crime é “antigo demais”
Promotoria da Califórnia decidiu por encerrar a acusação contra Nick Carter, alegando que o crime estava prescrito desde 2013
Postado em 12/09/2018
(Foto: REUTERS/Mario Anzuoni)

Promotores de justiça da Califórnia declararam, nesta terça (11), que não vão prosseguir com as acusações contra Nick Carter pela suposta agressão sexual denunciada, em 2017, por sua ex-namorada, Melissa Schuman. Conforme noticiou a Reuters, o motivo é que o incidente teria prescrito segundo as leis do Estado americano e, portanto, não poderia mais ser objeto de um processo criminal.


Em nota oficial, a justiça declarou que a acusação do caso perdeu sua validade legal em 2013, além de ressaltar que nenhuma conclusão sobre as alegações pôde ser feita, justamente porque o incidente ocorreu há muito tempo. 


(Melissa e Nick namoraram entre 2002 e 2003. Foto: Getty Images/BBC/Reprodução)


Desde o ano passado, quando o assunto veio à tona, o integrante dos Backstreet Boys nega veemente o fato.


 Após a divulgação da promotoria, na terça, seu advogado, Michael Holtz, afirmou que o cantor estava “feliz em deixar a história para trás”. 


“Nick negou essas alegações desde que soube delas no ano passado e estava confiante de que o promotor concluiria que não havia base legal para seguir com o processo”, disse Holtz, em comunicado oficial.


Melissa Schuman, diante da decisão judicial, declarou que sempre esteve “ciente da probabilidade de o caso não ser processável”, mas que tinha sido um “grande consolo” para ela ver a história ser, ao menos, investigada.


“Falar foi a melhor coisa que eu poderia ter feito por mim mesma”, afirmou ela. “Espero que isso inspire as outras pessoas a fazerem o mesmo, se isso parecer o certo para elas.”