Papai Noel do Walmart é preso após corpos de seus filhos serem encontrados no quintal
Papai Noel do Walmart é preso após corpos de seus filhos serem encontrados no quintal
Uma das vítimas estava desaparecida há mais de dois anos, mas polícia jamais foi notificada
Postado em 27/12/2018
(Foto: Escritório do Xerife do Condado de Effingham/Reprodução)

Um homem, de 49 anos, que trabalhava como Papai Noel numa filial do Walmart nos EUA, foi preso esta semana após os corpos de dois de seus filhos serem encontrados no quintal de sua casa, na Geórgia. Uma das vítimas, Elwyn Crocker Jr, de 14 anos, estava desaparecida, segundo as autoridades, há pelo menos dois anos. A outra, Mary Crocker, da mesma idade, não era vista desde outubro deste ano.


As investigações conduzidas pelo xerife do Condado de Effingham, David Exley, encontraram os restos mortais dos jovens por puro acaso, afinal o desaparecimento dos dois jamais foi reportado à polícia. Conforme relatório oficial, a descoberta só foi feita porque uma denúncia anônima alegou, nos últimos dias, que Mary estava, já há muito tempo, morta.



De acordo com Exley, após a denúncia, as autoridades foram à casa dos Crockers perguntar sobre o paradeiro de Mary. E, como as respostas lá obtidas foram consideradas conflitantes e suspeitas, os detetives não tiveram alternativa senão iniciar uma busca pelo terreno da residência. Foi então que encontraram os corpos não só da garota, como também do seu irmão mais velho, no quintal da casa.


“Estou neste ramo há 41 anos e, agora pouco, quase desmoronei em lágrimas”, afirmou um detetive do caso, Jimmy McDuffie, em conferência com a imprensa local na semana passada.  “Esse é o nível da coisa. Eu não consigo entender como alguém faz isso com crianças. É horrível.”


As causas da morte dos irmãos ainda não foram determinadas, mas acredita-se que Elwyn Jr. tenha sido assassinado já no final de 2016.


Diante da descoberta, foram presos pelo crime, Elwyn Crocker Senior, pai das crianças, além de 3 outros membros da família, os quais foram considerados cúmplices na morte e na ocultação do cadáver das vítimas. 


Nenhum dos envolvidos quis fazer maiores declarações sobre o caso.