Concessões atendidas, mas a greve continua
Concessões atendidas, mas a greve continua
Por que a greve dos caminhoneiros ainda não acabou
Postado em 29/05/2018
(Caminhoneiros bloqueando uma rodovia de São Paulo no início da greve / Divulgação Veja)

A nossa última semana tem sido agitada. Olhos bem atentos aos noticiários para ver quando a greve acabará. E para quem não entende todos os motivos por detrás dessa greve (grande parte dos brasileiros), as concessões feitas pelo presidente Michel Temer, no último domingo, foram mais do que suficientes para acabar com a paralisação nacional dos caminhoneiros. 


Em seu pronunciamento, o presidente Temer concedeu várias das exigências e condições dos grevistas. Dentre elas, a redução de R$ 0,46 no litro do diesel por dois meses (60 dias) e a isenção no pagamento de pedágio para eixos suspensos em caminhões vazios. Mas as concessões não foram suficientes para terminar a greve naquele mesmo instante, e as consequências de nove dias de paralisação no país já começaram a aparecer. Exemplos disso foram os animais que precisaram ser sacrificados, os alimentos descartados, a comida absurdamente cara... Isso sem falar do prejuízo que o Brasil teve no comércio, indústria e transporte. Diante dessa situação, o Brasil inteiro ficou instável, e uma questão permaneceu latejante na cabeça dos seus cidadãos: mas por que, afinal, a greve ainda não acabou?


Para se chegar a uma resposta, é preciso analisar o que dizem os atores do atual cenário. O governo do país afirma já ter chegado no limite das negociações, além de ter atendido às principais reivindicações dos grevistas. Os caminhoneiros, por sua vez, alegam a existência da ação de ‘intervencionistas’, que se infiltraram no meio da greve com outras intenções que já não têm nada a ver com a categoria. Essa última hipótese parece ser corroborada por José da Fonseca Lopes, presidente da Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), que disse em uma entrevista que os caminhoneiros gostariam de voltar a trabalhar após o pronunciamento do presidente, mas que foram ameaçados ‘com violência por forças ocultas’. Lopes sugere também a possibilidade de que a greve seja uma tentativa direta de derrubar o governo. Confira o vídeo na íntegra:


E você, consegue pensar em mais motivos para a greve continuar, e quais serão as consequências para o Brasil? Compartilhe o que pensa conosco.