‘Ritual satânico’ com gato decepado em dois deixa Macedônia horrorizada
‘Ritual satânico’ com gato decepado em dois deixa Macedônia horrorizada
Cercado por símbolos satânicos e encantamentos em latim, o bichano foi sacrificado para abrir os “portões do inferno”
Postado em 6/10/2018
(Foto: Central European News/Reprodução)

Esta semana, a capital da Macedônia, Escópia, foi palco de um incidente no mínimo chocante. A cidade amanheceu, na última quarta-feira (3), com a presença de um gato, rasgado ao meio, em uma das calçadas do distrito de Dračevo, um dos mais desenvolvidos do país. 


Segundo relatos, o pobre animal tinha as patas traseiras e a cauda inseridas dentro de um pentagrama invertido, enquanto sua cabeça e patas dianteiras estavam unidas para fora do símbolo. 


(Dizeres latinos e pentagramas invertidos cercavam o corpo do animal. Foto: Central European News/Reprodução)


Além disso, sobre o corpo abandonado do bichano, liam-se as frases latinas “ad majorem Sathanae gloriam” (glória máxima a Satanás) e “zazas, zazas, nasatanada, zazas” (abram-se, abram-se, portões do inferno, abram-se) escritas com spray.


Acima de cada frase, estavam desenhados ainda mais dois pentagramas invertidos.


De acordo com o padre local Oliver Petrovski, o incidente provavelmente estaria ligado a outros episódios similares que ocorreram recentemente em sua igreja. 


Conforme conta, há poucos dias ele encontrou diversos grafites satânicos (como saudações ao demônio, pentagramas invertidos e referências ao número “666”) pichados por todas as paredes de sua paróquia.


(Igreja do padre Oliver Petrovski havia sido vandalizada dias antes. Foto: Central European News/Reprodução)


O padre declarou que, na primeira vez que viu os grafites, pensou ser aquela apenas uma brincadeira de mau gosto feita por crianças. Mas, diante do lamentável caso do felino decepado, ele mudou de ideia.


“Os indícios de que membros de uma seita satânica estejam trabalhando em Dračevo estão se tornando cada vez mais sérios”, ele afirmou.


Em consonância com a opinião do padre, alguns moradores do distrito relataram ter visto “grupos suspeitos” rondando a região e realizando práticas “pouco usuais”, como acender fogueiras e dançar ao som de “músicas estranhas” durante a madrugada.


(As autoridades limparam prontamente o local. Foto: Central European News/Reprodução)


Alheia à discussão religiosa sobre o caso, a associação de proteção animal Anima Mundi requereu das autoridades locais que uma investigação fosse iniciada o quanto antes.


Apesar disso, nenhum pronunciamento oficial foi feito pelo governo macedônio.